Bia Goés (SP)

Coro Cênico e Canto Popular

Bia Goés (SP)

Coro Cênico e Canto Popular

“Filtros da Canção - uma abordagem que investiga a experiência do cantor popular ” foi criada pela cantora, pedagoga e preparadora vocal Bia Góes. A oficina é ministrada regularmente no Conservatório Dramático e Musical Dr Carlos de Campos - Conservatório de Tatuí, como parte da abordagem da professora Bia Góes na área de ensino de canto MPB/Jazz e tem circulado por festivais de música como 24⁰ Festival de Música de Itajaí (2022), 39º Oficina de Música de Curitiba (2019) e 41º Femucic – cidade canção em Maringá (2019). O objetivo é proporcionar uma imersão musical e despertar as potencialidades dos alunos de canto e /ou interessados em desvendar as semânticas do canto na relação com a palavra sob as perspectivas da técnica e da expressão.

A voz do cantor popular deve ser flexível, saudável e dotada de identidade, uma vez que os estilos populares demandam técnicas e expressões variadas. Preparar o cantor para atuar em diversos estilos, com consciência das técnicas a se mobilizar e extrair ao máximo seu potencial interpretativo por meio da validação de sua trajetória e reconhecimento de experiência é o objetivo da oficina Filtros da Canção.

Breve revisão de concepção e uso das técnicas vocais.
Percepção vocal e interpretativa na música popular brasileira.
Prática de canto do samba à bossa nova.

Bruno Soares

Violão e Orquestra de Violões

Bruno Soares

Violão e Orquestra de Violões

Violonista/concertista, experiente e premiado, professor de música, arte e arranjador, Bruno Soares é Mestre em Música pelo programa PROEMUS (UNIRIO), Bacharel em Música - Violão (FAMES), licenciado em Artes (Serravix) e pós-graduado em Arte e Educação (CESAP). 
 

Em sua formação musical, destacam-se inúmeras participações em Cursos, Masterclasses e Workshops de importantes vultos como: Fabiano Mayer (ES), Henrique Pinto (SP), Fábio Zanon (SP), Michael Lich (EUA), Thomas Patterson (EUA), Pedro Rufino (PT), Carlos Barbosa Lima (BR), Mario Ulloa (Costa Rica), Manuel Espinas (Cuba), que contribuíram para seus expressivos êxitos nos diversos concursos que participou, sendo os mais eminentes o 1° Lugar no IV Concurso de Violão Eustáquio Grilo (DF),  2°lugar no I Concurso Latino Americano de Violão Maurício de Oliveira (ES), 2° Lugar no IV e V Concurso de Violão Erudito do Conservatório Musical Villa-Lobos (SP), 2º. Lugar no Concurso de Música Erudita Áurea Adnet (ES), 3°. Lugar no 8°. Concurso de Guitarra César Cortinas (Uruguai), 3º lugar no XXVII Concurso Latino Americano Rosa Mística (PR). 
 

É autor do livro “Brasil: Música na História - 50 peças para violão, com arranjos da obra homônima do compositor capixaba Carlos Cruz. Foi o arranjador das obras do livro “O pop que fez história por essas bandas”, destinado a conjuntos e/ou orquestra de violões. E participou da gravação de dois CDs: Rerigtiba - Obras de Marcelo Rauta e Obras para Juventude - Marcelo Raut, através do Duo Vieira-Soares. 
 

Tem um importante trabalho como concertista, difundindo o repertório de música de concerto de compositores capixabas em performances por todo o Sudeste e Distrito Federal. Acumula 20 anos de carreira musical e atualmente se dedica à docência Musical e de Arte, atuando no ensino superior (FAMES), como efetivo na rede municipal de Anchieta e Coordenador Pedagógico do Projeto da Orquestra de Violões nas Escolas Públicas do ES (FAMES/SEDU/FAPES).


https://www.brunosoaresguitar.com

Carlos Rohrbacher (SC)

Dança Folclórica Alemã - Campinho

Carlos Rohrbacher (SC)

Dança Folclórica Alemã - Campinho

Com início na dança folclórica germânica em 1986, o professor Carlos Rohrbacher é coordenador de dança desde 2013, atualmente nesta função no Unser Land Trachtenverein de São Bento do Sul - SC em parceria com Marielly Rohrbacher. Possui experiência em Volkstanz (dança folclórica), Schuhplattler (sapateado) e Goaßlschnalzen (chicote de percussão).

Cláudio Dauelsberg (RJ)

Piano

Cláudio Dauelsberg (RJ)

Piano

Pianista, arranjador, compositor, produtor e professor da UNIRIO, Cláudio Dauelsberg já gravou 7 CDs, 2 DVDs , álbuns digitais e  inúmeros singles.  O CD “Bach”, gravado com a Orquestra de Câmara de Moscou, foi premiado pela Norddeutscher Rundfunk e o CD “Além das Imagens”, indicado para o prêmio Sharp. Cláudio tem 2 DVDs gravados com o “PianOrquestra, 10 mãos e 1 piano”, grupo idealizado por ele, onde atua como diretor musical, arranjador e pianista, que foi considerado um dos 10 melhores espetáculos do ano pelo jornal O Globo, além de  inúmeros prêmios (Itaú rumos, Classical Next, entre outros). 
 
Claudio já se apresentou ao lado de Plácido Domingo, Bob Mintzer, Bireli Lagrene, Toots Thielemans, Chick Corea, Hermeto Pascoal, João Bosco,  Yamandu Costa, Marcos Suzano, Toninho Horta, entre tantos outros músicos da MPB.  Com o grupo  Pianorquestra  fez arranjos para  Monica Salmaso, Teresa Cristina, e mais recentemente Marcelo Jeneci, Tulipa Ruiz,  Ana Canãs, Mariana Aydar e João Bosco.
 
Além disso, já se apresentou em extensas turnês  pelos principais  festivais e teatros europeus, como  Montreux Jazz Festival, Vancouver Jazz Festival, “Festival La Roque D’Antheron” (França), Elbphilarmonie (Hamburgo), Konzerthaus Berlin, Tallinn International Piano Festival, Centro Cultural Belém, Casa da Música, Blue Note, Concertgebow Amsterdam e Suécia.  Realizou  turnês pela América do sul  (Chile, Argentina entre outros) e América do Norte (Vancouver Jazz festival, Calgary Jazz Festival). Também participou de  Showcases no Midem, Womex,  Classical Next  e Brasil Music Festival (Norway).

Claudio Dauelsberg conquistou grande evidência no cenário da música instrumental brasileira. Dono de um temperamento inquieto, sempre buscando inovações, é constantemente requisitado como pianista, arranjador e compositor. Explora em suas composições ritmos brasileiros como choro, maracatu, afoxé, coco, samba e bossa-nova, sempre estampando o filtro de sua personalidade musical. Tornou-se um dos mais bem-sucedidos músicos brasileiros a trabalhar com o popular e o erudito com profundidade e domínio das áreas, que envolvem interpretação e improvisação.

Cláudio é um artista sempre atuante na vanguarda, é responsável por promover expressivos movimentos na área da música instrumental, como o projeto PianOrquestra, onde explora os elementos étnicos e as raízes brasileiras, fazendo com que o piano, tocado a dez mãos – cinco músicos simultaneamente – se transforme em sua própria orquestra.
Os espetáculos desenvolvidos por Cláudio envolvem uma performance de alto apuramento técnico e refinamento musical. Oferece espetáculos diversificados, atuando em formações solo, duo, trio e quarteto, além de apresentações com grupos de percussão.

Cláudio Dauelsberg é o idealizador e diretor artístico do grupo PianOrquestra, que alia pesquisa e inovação em bases sólidas, com um trabalho único no mundo que envolve 10 mãos e um piano preparado.

Cristiano Costa

Clarinete, Flauta, Oboé e Fagote

Cristiano Costa

Clarinete, Flauta, Oboé e Fagote

Natural de Niterói (RJ), Cristiano começou seus estudos na clarineta, com o renomado professor José Botelho. Em 2009, na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, formou-se bacharel em Música com o Dr. Fernando Silveira. Como bolsista, participou de mais de 30 festivais nacionais, dentre eles destacam-se, o Festival de Campos dos Jordão (SP) FEMUSC (SC),festival internacional de clarinetistas de Buenos Aires (ARG). Entre cursos e master-classes, teve orientação de profs renomados, como : Afonso Montanha, Cristiano Alves, Ovanir Buosi, Jorge Montilla (EUA), Romain Guyot (França), Walter Seyfarth (Alemanha) e Michael Collins (UK).


Tem consolidado uma carreira como solista do instrumento, apresentando-se a frente de vários grupos, entre eles: Banda filarmônica do Rio de Janeiro, Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem, Orquestra Sinfônica UNIRIO, Orquestra Sinfônica do Espírito Santo e Orquestra Sinfônica de Goiânia. Ganhou o concurso Sul-Americano de clarinetistas em San Miguel de Tucumán, na Argentina. Foi também vencedor do primeiro concurso de jovens solistas da Orquestra Sinfônica de Goiânia e da Orquestra Sinfônica da UNIRIO. Participou de masterclass na Julliard School of Music em Nova Iorque (EUA) e em Buenos Aires (Argentina). Atualmente, é líder do naipe de clarinetes da Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo e regente da Banda jovem (Música na Rede).

Daniel Enache

Violoncelo e Contrabaixo

Daniel Enache

Violoncelo e Contrabaixo

Professor de Violoncelo na Faculdade de Música do Espírito Santo (FAMES), natural de São Paulo e radicado em Belo Horizonte, onde iniciou seus estudos de Violoncelo. Estudou com Abel Moraes, Alceu Reis e Philip Hansen, participando ativamente em masterclasses com os professores Márcio Carneiro, Antônio Meneses e Matias de Oliveira. Graduou-se em Música/Bacharelado pela Universidade do Estado de Minas Gerais (ESMU-UEMG), Música/Licenciatura pelo Instituto Paulista São José (IPSJ/SP) e especializou-se em Psicologia Educacional na Pós-graduação da Faculdade Ibra de Tecnologia (FITEC).


Atuou como professor de violoncelo na Fundação Clovis Salgado/Palácio das Artes -CEFART(MG), na Fábrica de Artes/Igreja Batista Lagoinha (Belo Horizonte/MG), Projeto Sol das Gerais (Betim-MG), Projeto Orquestra Jovem de Sete Lagoas (MG), Sesi - Conservatório Jardim da Penha (ES), Vale Música (ES) e Instituto João XXIII (ES), onde também desenvolveu um trabalho como Educador Social.


Tem uma extensa atuação como camerista, apresentando-se nas principais salas de concerto do país em duos, trios e quartetos, além de integrar o projeto Camerata Brasil com o pianista Marcelo Bratke. Participou como violoncelista convidado da Camerata de Violoncelos da Fundação de Educação Artística (FEA/BH) sob a coordenação dos professores Jayaram Marcio e Berenice Menegale, realizando um intenso trabalho de música de câmara e conjunto de violoncelos. Atuou também como violoncelista na Orquestra Camerata Sesi (ES), Orquestra Sinfônica do Espírito Santo, Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, Orquestra Federal do Mato Grosso, Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e Orquestra Ouro Preto.

Eliseu Barros (MG)

Violino e Viola e Orquestra Sinfônica

Eliseu Barros (MG)

Violino e Viola e Orquestra Sinfônica

Bacharel em violino pela UFMG, Pós graduado em Neurociência aplicada a Educação pela Faculdade São Camilo, e Mestre em Gestão Social, Educação e Desenvolvimento Local pela UNA BH. Natural de Lavras –MG, nascido em família de músicos, a Família Barros, iniciou na música com violão, cavaquinho e bandolim com seu pai ainda criança. Mais tarde, depois de passar pela clarineta e saxofone, por iniciativa de seu pai, começou a estudar violino onde veio a conseguir rapidamente grande progresso vindo a adquirir muitas experiências em diversos compromissos posteriores.

Foi professor de violino nos festivais de música de São João DeI Rei (promovido pela FUNREI) em 1996, Pró-Música de Juiz de Fora em 1997 e 1998, Domingos Martins (Espírito Santo) em 2004 e 2006, Ouro Branco (MG) em 2004 e 2005 e o festival Primavera Musical de São Brás de Suaçuí em 2007 e 2009, além de ser diretor artístico do 2° festival Primavera Ramacrisna em Betim desde de 2018. Integrou a Orquestra Jovem do Mercosul em 2001, 2002 e 2003, e a Orquestra Jovem Mundial, no Japão, promovido pelo Pacific Music Festival em 2000. Professor de viola de orquestra na UFMG em 2005 e 2006, Eliseu foi vencedor dos concursos Jovens Solistas da Pró-Música (Juiz de Fora) em 1991 e 1993, UFMG em 1991 e 1992, Orquestra Sinfônica de São Paulo em 1996, UFMG música de câmara com Quarteto de Cordas em 2000. Solou e regeu concertos com as orquestras SESIMINAS-MUSICOOP (BH), Sinfônica da UFMG e Sinfônica de Cuiabá.

Como violinista e violista, atuou como músico convidado na OSESP, Sinfônica do Teatro Nacional de Brasília, Sinfônica Brasileira (RJ) e Sinfônica de Ribeirão Preto. Atuou ainda como Spalla nas orquestras Sinfônicas de Ribeirão Preto, UFMG, SESIMINAS-MUSICOOP e Sinfônica de MINAS GERAIS (de 2004 a 2007),spalla substituto da Orquestra Filarmônica de MG onde foi concertino por 4 anos, professor de violino e viola no Conservatório Estadual Maestro Marciliano Braga em Varginha (de 2000 a 2007) e Primeiro violino do Quarteto Mineiro de Cordas, criado por sua iniciativa, quarteto pelo qual fez diversas apresentações pelo interior de Minas e em Festivais de Música(Oficina de Música de Curitiba, Festival de Música Scala de Juiz deFora, Festival de Música FUNREI de São João del Rei, Festival de Música de Campos dos Goytacases) além de Goiânia.

Como atividade docente, tem se dedicado a aulas regularmente como professor de violino, viola e violoncelo, tendo alunos premiados nos 3 instrumentos em diversos concursos de solistas, como Concurso Nacional de cordas do Centro Cultural PróMúsica de Juiz de Fora, BDMG Cultural, tendo o sobrinho e aluno de violoncelo Lucas Barros como vencedor do conceituado Concurso Internacional VI David Popper International Cello Competition (Hungria – 2015), o segundo lugar geral e o prêmio Nanny Devos para o brasileiro mais bem colocado no Rio International Cello Encounter (2013), o primeiro lugar no Concurso para Jovens Solistas da Sinfônica de Minas Gerais (2010 e 2011), e em 2015, venceu o concurso promovido pelo Mozarteum Brasileiro. Seus trabalhos se estendem ainda para uma extensa participação em shows e gravações de CDs e DVDs de músicos da área de música erudita e popular, destacando como principais artistas Daniel Guedes, Skank, Lô Borges, Caetano Veloso, Guilherme Arantes, Toninho Ferragutti, Toninho Horta entre outros.

Como regente já regeu Orquestra de Câmara Sesiminas-Musicoop, Orquestra Sinfônica da UFMG, Orquestras Sinfônicas formados com Músicos da Filarmônica e Sinfônica de MG, tendo feito repertório Erudito, entre os principais o Primeiro Mov. da Quinta Sinfonia de Beethoven, Exutate Jubilate de Mozart(completo), Les Illuminattions de Benjamin Britten/Rimbaud, Sinfonia Concertante para violino e Viola de Mozart, Concertino para violino e orquestra de Câmara de C.Guerra Peixe, Bachiana 5 de H.V.Lobos.

Atualmente é o diretor artístico pedagógico e regente das Orquestras Jovens Sesc MG e Orquestra Jovem Ramacrisna (Betim-MG). Atua como arranjador e adaptador musical para grupos musicais diversos além de orquestras no cenário de Minas Gerais. Entre seus principais professores, destaca-se o violinista fluminense Daniel Guedes, discípulo de Pinchas Zukerman, e Edson Queiroz de Andrade. Atualmente é coordenador e regente das orquestras jovens do SESC-MG e Instituto Ramacrisna. 

Igor Willcox (SP)

Bateria e Jazz Combo

Igor Willcox (SP)

Bateria e Jazz Combo

Igor Willcox, nascido em 6 de janeiro de 1981, na cidade de São Paulo, é um baterista e compositor requisitado, com uma notável herança musical que remonta a várias gerações. Filho de Paulo César Willcox, respeitado maestro, arranjador, pianista e vibrafonista, e de Sonia Willcox, talentosa cantora, Igor encontrou sua maior influência artística em sua própria família. Desde cedo, Igor Willcox demonstrou um talento excepcional para a bateria, começando a tocar aos 14 anos de idade, em 1995. Ele teve a oportunidade de estudar com professores renomados, como Alexandre Faccas e o renomado baterista suíço Jojo Mayer, que contribuíram para seu desenvolvimento musical e técnico.

Ao longo de sua carreira, Igor teve o privilégio de colaborar com uma impressionante lista de artistas nacionais e internacionais. Sua contribuição musical inclui gravações e performances ao lado de nomes como Jimmie Bo Horn, Guilherme Arantes, Família Lima, Sandy & Junior, Anitta, Daniela Mercury, Patrícia Marx, Rappin Hood, Fernanda Porto, Frejat, Banda Sta Maria, Cecilia Stalin, Izzy Gordon, Gary Brown, Kenny Brown, Placa Luminosa e muitos outros.

No cenário da música instrumental, Igor Willcox teve o privilégio de tocar e gravar com grandes nomes do jazz e da música brasileira. Sua habilidade na bateria o levou a colaborar com músicos renomados, como Bocato, Tony Lakatos, Kwak Yoonchan, Frank Colon (Weather Report), Carlos Tomati, Michel Leme, Marcinho Eiras, Michael Pipoquinha, Arismar e Thiago do Espírito Santo, Fernando Rosa, Sandro Haick, Mauricio Fernandes, Mauro Hector, Zerró Santos, Walmir Gil, Erik Escobar, Decebal Badila, Lanny Gordin, Rubem Farias, Zé Canuto, Bruno Alves, Glecio Nascimento, Saulo Martins, Vini Morales, Wagner Barbosa, Daniel Santiago, Marcelo Coelho, Rodrigo Ursaia, e muitos outros.

Sua notável contribuição musical não se limita apenas ao Brasil. Como um baterista requisitado, Igor Willcox teve o privilégio de gravar para artistas internacionais em diversos países, como Estados Unidos, Alemanha, Holanda, França, México, Reino Unido, Bélgica, Japão, China, Emirados Árabes, Coreia do Sul, Espanha, Islândia, Suécia, Israel, África do Sul, Lituânia e muitos outros.

Um marco significativo em sua carreira foi o lançamento de seu álbum com o trio "New Samba Jazz" em 2006, pelo selo suíço Altrisuoni Records. O trabalho recebeu excelentes críticas tanto na Europa, Ásia, Estados Unidos quanto no Brasil, estabelecendo-se como um dos Best Sellers do selo durante 4 anos.

Além de sua impressionante trajetória musical, Igor Willcox também se destacou em importantes festivais e prêmios:

  • Batuka III (festival de bateria organizado pelo Instituto de Bateria Vera Figueiredo), ganhou na categoria musicalidade, em 1998.
  • Abertura do Batuka IV, ao lado de nomes como Dave Weckl e Virgil Donati.
  • Foi indicado pela revista Batera & Percussão como baterista revelação no ano 2000.
  • Se apresentou na 1a edição do Batukinha, onde também tocaram Cuca Teixeira, Vera Figueiredo, Sam Aliano, Marco Minniman, Jim Chapin e Dom Famularo.
  • Se apresentou no 2° Modern Drummer Festival (Brasil).
  • Realizou workshops na Alemanha tendo como alguns mais importantes a Hochschule für Musik und Darstellende Kunst Frankfurt (Universidade de Musica de Frankfurt), Hochschule für Musik und Darstellende Kunst Hamburg ( Universidade de música de Hamburgo) , entre outros.
  • Se apresentou no IV Modern Drummer IP&T Festival.
  • Foi colunista da revista Batera & Percussão durante 1 ano.
  • Se apresentou no Primeiro Zildjian Camp Brasil (2015).
  • TDT (Tagima Dream Team) edições de 2017, 2018,2019,2021 e 2022.
  • Se apresentou no 1° IP&T Drum Festival 2021.

Seu grupo Igor Willcox Quartet, tem conquistado um reconhecimento cada vez maior no cenário musical, encantando o público nos mais prestigiosos clubes de jazz do Brasil e do exterior, como Yardbird Suite (Canada), The Jazz Room (Canada), The Rex (Canada), Blue Note, Bourbon Street, e Sescs, bem como em renomados festivais de jazz pelo mundo, incluindo o Nisville Jazz Festival na Sérvia, Bansko Jazz Festival na Bulgária, Summer Jazz Festival na Eslovênia, North City Jazz Festival na Sérvia, Panama Jazz Festival, Play Jazz Festival, etc.

Com uma fusão de elementos do jazz, funk e fusion, o show do Igor Willcox Quartet revela a veia compositora do talentoso artista, explorando toda a sua musicalidade, sua espontaneidade como baterista e a incrível interação com os demais músicos. A experiência de assistir a essa apresentação é uma verdadeira imersão sonora, repleta de harmonias envolventes, ritmos pulsantes e improvisações cativantes, que cativam os ouvintes e os transportam para uma jornada musical inesquecível. O Igor Willcox Quartet eleva o jazz fusion a novos patamares, demonstrando virtuosismo e criatividade em cada nota executada, conquistando o respeito e a admiração de críticos e amantes da música ao redor do mundo.

Iury Batista (SP)

Baixo Elétrico, Contrabaixo Acústico e Jazz Combo

Iury Batista (SP)

Baixo Elétrico, Contrabaixo Acústico e Jazz Combo

Natural de Fortaleza-CE, iniciou sua trajetória musical aos 15 anos bastante influenciado pelo contexto familiar, até ganhar o primeiro contrabaixo de seu irmão, o baterista Paulinho Santos. Iniciou assim o estudo focado no instrumento a partir de referências como: Nico Assumpção, John Patitucci, John Clayton, Ron Carter, Ray Brown, Christian McBride, Avishai Cohen, Arthur Maia, Thiago do Espírito Santo. Nesse período estudou com grandes baixistas do cenário cearense, como Renato Campos e Miquéias dos Santos.

Aos 18 anos, conheceu o saxofonista e professor Márcio Resende, que dá continuidade à sua formação musical até hoje, e começou a trabalhar como sideman de vários artistas em sua cidade.

Durante duas edições do do Curso Internacional de Verão da Escola de Música de Brasília (Civebra), teve a oportunidade de estudar com os baixistas André Vasconcelos, Zeca Assumpção, Toni Botelho, e com os músicos Lula Galvão e Alexandre Carvalho.

Desde então já participou de apresentações e gravações de alguns artistas como: Arismar do Espirito Santo, Chico Pinheiro, Leo Gandelman, Morais Moreira, Fausto Nilo, Flavio Venturine, Paulinho Mosca, Chico César, Seu Jorge, Arnaldo Antunes, Alex Kautz, Alexandre Mihanovich, Elba Ramalho, Mestrinho, Daniel DÁLCANTRA, Eloa Gonçalves, Cuca Texeira, Ohad Talmor, Henrique Mota, Cainã Cavalcante, Edu ribeiro, Otto, Xenia Fança, entre outros.

Participou de três edições do Festival Choro Jazz em Jericoacoara, com saxofonista Márcio Resende , jazz e Blues de Guaramiranga, com Márcio Resende Festival da Ibiapada, em 2017 e 2018 com Por Um Trio. Savassi jazz com Eloá Gonçalves Campinas jazz com Daniel D’Alcântara quinteto.

Atualmente participa dos grupos instrumentais Por Um Trio, O Expresso 5, Márcio Resende Quarteto, Eloá Gonsalves trio, Henrique Mota Trio, Cainã Cavalcante Trio, e Cuca Texeira e Groove Reunion e trabalha em seu primeiro álbum.

Leandro Sudbrack (RS)

Prática de Metais - Melgaço

Leandro Sudbrack (RS)

Prática de Metais - Melgaço

Do Rio Grande do Sul, Leandro Sudbrack faz parte da Orquestra Sinfônica de Gramado e passará seus conhecimentos em prática de banda de metais especialmente para os músicos de Domingos Martins que mantêm a cultura dos antepassados alemães e pomeranos viva até a atualidade.

Marcelo Coelho (SP)

Sopros Popular

Marcelo Coelho (SP)

Sopros Popular

O saxofonista e compositor Marcelo Coelho acumula extensa carreira nas qualidades de instrumentista, compositor, educador e pesquisador na área musical.

Como educador, acumula passagens como educador em instituições nos EUA: Music Education Center, Weston, FL, Aukela Christian Academy, Hollywood, FL, e St. Bartholomew Catholic School, Miramar, FL.  No Brasil, leciona na Faculdade de Música Souza Lima/Berklee College of Music onde também atua como coordenador do curso de Pós-Graduação em Processos Criativos em Música Popular: Composição, Arranjo e Improvisação.

Como pesquisador, concluiu o pós-doutorado em composição pela USP, dando seqüência à carreira acadêmica que compreende também seu doutorado em composição pela UNICAMP, mestrado em Jazz Performance pela University of Miami, e bacharelado em Música Popular pela UNICAMP. Devido aos trabalhos de pesquisa sobre a utilização da polirritmia em composição e improvisação, Coelho desenvolveu um processo composicional e improvisacional denominado The Rhythmic Line Approach for Composing and Improvising. Este trabalho, editado e lançado pela Editora FAMES com o título ‘Suite I Juca Pirama: criação de um sistema composicional a partir da adequação da polirritmia de José Eduardo Gramani ao jazz modal de Ron Miller”,  já foi apresentado em diversos encontros e congressos internacionais de jazz nos EUA, Europa e América do Sul, dentre eles o IASJ – International Association of School of Jazz- e IRSA – International Rhythmic Studies Association – que  fundou junto ao contrabaixista irlandês Ronan Guilfoyle.

Como instrumentista, Marcelo Coelho já atuou ao lado de importantes músicos de jazz: David Liebman, Bob Mintzer, Didier Lockwood, Phil Markowitz, Gene Perla, Rick Peckham, Ed Sarah, Ronan Guilfoyle, Vincent Gardner, Ron Miller, Phil DeGreg, Cliff Korman e outros. Dentre os músicos brasileiros estão Hermeto Pascoal, Guinga, Caetano Veloso, Sizão Machado, Sérgio Barroso, Naylor Proveta, Célio Barros e outros. Coelho tem atuado extensivamente com os seus projetos musicais: David Liebman-Guinga-Coelho Trio; Duo Guinga & Marcelo Coelho; MC4+ (cd ‘Colagens)’; MC&RD 4teto em colaboração com o saxofonista argentino Rodrigo Dominguez (cd ‘Paralelas’); Un-X-Pected Brazilian Project em colaboração com músicos de jazz da Escandinávia (cd ‘Unite’); Projeto Paris/São Paulo I e II em colaboração com músicos franceses, dentre eles Didier Lockwood (cd ‘Paris/São Paulo’), todos trabalhos musicais contemporâneos onde se destacam as composições originais e as improvisações coletivas. Com produção do premiado instrumentista e produtor Celio Barros, produziu dois discos de saxofone solo, sem nenhum acompanhamento, trabalho de caráter experimental que tem chamado a atenção da crítica, músicos e público em geral.

No universo da música erudita, Coelho fez duas estreias como solista em concertos sinfônicos. Em 2013, o ‘Concerto para Saxofone Soprano e Orquestra’ do premiado compositor Liduino Pitombeira, junto à Orquestra Sinfônica do ES sob a regência do maestro Roberto Duarte. Em 2015, o concerto ‘Nebulae’ da compositora Patrícia de Carli, com a orquestra Sinfônica de São José dos Campos sob a regência do maestro Marcello Stasi, na Sala São Paulo.

Marcelo Jardim (RJ)

Regência e Banda Sinfônica

Marcelo Jardim (RJ)

Regência e Banda Sinfônica

Diretor artístico e vice-diretor da Escola de Música da UFRJ, professor de Regência de Banda e Prática de Orquestra e diretor musical da Orquestra de Sopros da UFRJ. Atua também como professor orientador do PROMUS - Programa do Mestrado Profissional em Música da UFRJ.

É Doutor em Práticas Interpretativas pela UNIRIO, e Mestre e Bacharel em Regência e Práticas Interpretativas pela UFRJ. É coordenador geral da parceria Arte de Toda Gente, para a realização dos Projetos UFRJ-FUNARTE, com abrangência nacional, o que inclui o SINOS - Sistema Nacional de Orquestras Sociais do Brasil, o BOSSA CRIATIVA – Arte de Toda Gente e o UM NOVO OLHAR, destinado a acessibilidade cultural.

É consultor artístico e coordenador pedagógico dos cursos de capacitação para regentes e instrumentistas de bandas de música, Painéis FUNARTE de Bandas de Música, realizados pela Fundação Nacional de Artes, e responsável pelo Projeto de Edições de Partituras para Banda. Mantem constante agenda como regente convidado, palestrante e professor, com atuação com orquestras e bandas sinfônicas, festivais, seminários, simpósios e congressos, no Brasil, América Latina, Estados Unidos e Europa.

Marcos dos Anjos (SP)

Metais

Marcos dos Anjos (SP)

Metais

Iniciou seus estudos musicais aos 13 anos com seu pai também Tubista, posteriormente teve orientação do Prof. Dráuzio Chagas (OSM) e Prof. Donald Smith (OSESP); participou de Masterclass com os renomados Professores Warren Deck (New York Philharmonic Orchestra), Gene Pokorny (Chicago Symphony Orchestra) e Chester Schmitz (Boston Symphony Orchestra), além de Aulas com os Professores Alessandro Fossi (Conservatório “G.Rossini” di Pesaro- Itália), Malte Burba  (Brass Clinician - Alemanha),  Ilídio Massacote (Orquestra Sinfónica Portuguesa), Ole Edvard Antonsen (Trompete Solo - Noruega) e  Andreas Martin Hofmeir (Universität Mozarteum Salzburg-Áustria).

Foi vencedor dos Concursos Jovens Solistas da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo em 1993 e 1994, além de Finalista e 3º colocado do I Prêmio Weril.                                                                     

Desde 1996 atua como Professor nos principais Festivais de Música do País como Campos do Jordão, Jaraguá do Sul, Curitiba, Brasília, Londrina, Tatuí e Isla Verde (Argentina), além de ministrar Masterclass em várias cidades pelo Brasil.

Atuou como Solista frente à Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto, Camerata Antíqua de Curitiba, Orquestra de Sopros Brasileira, Orquestra Sinfônica de Santo André, Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, entre outras.

Apresentou-se em 2005 com The Philadelphia Orchestra, por ocasião de sua apresentação na Cidade de São Paulo; como Camerista atuou junto à consagrados grupos como The New York Philharmonic Brass Quintet, Quinteto Metalessência e Grupo Trombonismo.

Ocupou a cargo de Tuba Solista na OSESP por 17 anos (1994 a 2011), participando em Turnês por vários Países da Europa (Alemanha, Áustria, Croácia, Espanha, França, Hungria, Polônia, Portugal, República Checa, Romênia e Suíça), Estados Unidos da América, América Latina (Argentina, Chile, Peru e Uruguai), gravando mais de 40 Cd’s, e tocando sob a batuta de importantes Maestros como Eleazar de Carvalho, Kurt Masur, Frank Shipway, Eiji Oue, John Neschling, Roberto Minczuk, Sir Richard Armstrong, Marin Alsop, Isaac Karabtchevsky, entre outros; e de 2012 a 2015 atuou como Regente do Grupo de Metais do Curso Livre promovido pela Fundação OSESP.

Atualmente Ministra Cursos de Tuba nos principais Festivais do País, além de Masterclass e Aulas Particulares; é Consultor Técnico e Artista HS Musical.

Monalisa Toledo (ES)

Orquestra de Papel e Orquestra Infantil

Monalisa Toledo (ES)

Orquestra de Papel e Orquestra Infantil

Monalisa Toledo, violoncelista, cantora, educadora musical bilíngue, nascida em Poços de Caldas-MG, iniciou seus estudos em violoncelo no ano de 2005 sob a orientação do Prof. Charles Viana no Projeto Social ONG - Orquestrando a Vida. Participou, também, do seminário de Cordas com intercâmbio entre Brasil X Venezuela com o projeto Tocar y Luchar (El Sistema) sob a orientação do maestro Luíz Maurício Carneiro. Em 2010 acompanhou a referida orquestra em uma turnê para a Bolívia em um festival de música, representando o Brasil. Também atuou como violoncelista na Orquestra Sinfônica do Espírito Santo (OSES), e atualmente leciona como professora de violoncelo no Projeto Social Música na Rede, executa ainda, um trabalho como educadora musical bilíngue na Maple Bear Vila Velha. Sua especialização, é em Artes na Educação e Libras. Atualmente, é mestranda em Educação Musical pela Universidade Federal de São João Del Rei.

Nelson Faria (MG)

Guitarra e Big Band

Nelson Faria (MG)

Guitarra e Big Band

Nascido em 23 de março de 1963, em Belo Horizonte,MG, Nelson Faria é um dos mais expressivos músicos brasileiros, contando em seu curriculum a publicação de 8 livros didáticos, sendo 2 (dois) editados nos EUA, Japão e Itália, 18 CD’s, 1 DVD, 1 video-aula (Toques de Mestre), um App – Nelson Faria Guitar lessons, além da participação em mais de 200 CD’s de diversos artistas nacionais e internacionais como músico e arranjador.


Atualmente o artista é host do programa “Um café lá em casa” com mais de 300.000 seguidores no YouTube. O programa também é veiculado nos canais Arte 1, Music Box Brasil e Futura. Além desses, Nelson Faria é o coordenador pedagógico e diretor do curso de música online Fica a Dica Premium (www.ficaadicapremium.com.br), com mais de 2 mil alunos cadastrados.


Além do Brasil, Nelson Faria já se apresentou no Japão, Estados Unidos, Canadá, Israel , Argentina, Portugal, Espanha, França, Alemanha, Áustria, Macedônia, Itália, Turquia, Suécia, Noruega, Dinamarca, Lithuania, Estônia, Finlandia, Islandia, Suíça, Holanda, Slovênia, Bósnia, Inglaterra, Malasia, Indonesia, Ilha de Malta, República Dominicana, Colômbia, Ilhas Canárias, Ilha da Madeira, Martinica e Republica Checa.


Destacam-se em seus trabalhos como arranjador, seu CD “Live in frankfurt” ao lado da Hr-Bigband, o CD “Malabaristas do Sinal Vermelho” e o DVD “Obrigado Gente”, de João Bosco, ambos indicados ao Grammy Latino além de, como arranjador e compositor, ter trabalhado com a KMH Jazz Orquestra (Suécia), UMO Jazz Orchestra (Finlandia), Frost Jazz Orchestra (USA), Hr-Bigband (Alemanha), CODARTS Big Band (Holanda), 2 O’clock Big band (Holanda), Jerimum Jazz Band (Brasil), Banda Pequi (Brasil), Orquestra da FURG (Brasil), Orquestra Bons Fluidos (Brasil), BigBand da UFMG (Brasil), Orquestra Filarmonica de Minas Gerais, Orquestra Jazz Sinfônica (SP) e Orquestra Sinfônica de Barra Mansa. Em 2013 Nelson estreiou sua atuação como compositor sinfônico com a peça “Concerto Brasileiro para Violoncelo e Orquestra” tendo Gustavo Tavares como solista à frente da Orquestra Sinfônica Nacional.


Apresentou-se nos mais importantes festivais de internacionais de Jazz, como North Sea Jazz Festival (Holanda), Montreal Jazz Festival (Canadá), Montreaux Jazz Festival (Suiça), San Francisco Jazz Festival (USA), Miami Festival (USA), Jazz a Vienne (França), Marcelle Jazz Festival (França), Tel Aviv Jazz Festival (Israel), Sarajevo Jazz Festival (Bósnia), Free Jazz Festival (Brasil), Kaunas Jazz Festival (Lithuania), Skope Jazz Festival (Macedonia), Malta Jazz Festival (Malta), Funchal Jazz Festival (Madeira), Frascatti Jazz Festival (Itália), Java Jazz Festival, Pennang Jazz Festival, Vicenza Jazz Conversations, entre outros…


Em 2001, agraciado com a Bolsa Virtuose, concedida pelo Ministério da Cultura, participou do programa BMI Jazz Composers Workshop, em Nova York - USA, tendo como professores Manny Albam, Jim McNeely e Michael Abene. 
Durante os meses em que esteve na cidade americana participou de várias gravações com músicos nova-iorquinos e brasileiros, apresentando-se em vários clubs de Jazz e no Kennedy Center, em Washington DC - USA
 

Como educador Nelson Faria também acumula muitos projetos bemsucedidos. Entre 1987 e 1999 lecionou disciplinas de arranjo, harmonia, improvisação e guitarra na Faculdade de Música da Universidade Estácio de Sá, e no curso CIGAM (Curso Ian Guest de Aperfeiçoamento Musical), ambos no Rio de Janeiro - RJ. Paralelamente ministrou inúmeros cursos e workshops em todo o país, dentre os quais destacam-se o Primeiro Seminário Brasileiro de 
Música Instrumental (Ouro Preto - MG), o Curso Internacional de Verão de Brasília - DF, o Festival de Música da Universidade do Rio Grande do Norte, Oficina de Música de Itajaí - SC, EM&T (Escola de Música e tecnologia - SP) , Conservatório Souza Lima (SP), Festival Internacional de Domingos Martins - ES, Festival de Ibiapaba e a Oficina de MPB de Curitiba - PR.


No exterior Nelson também atuou como professor convidado nas Universidades Manhattan School of Music (NY - USA), New School of Music (NY-USA), Berklee College of Music (Boston - USA) , University of South California (LA-USA), Stockholm Royal College of Music (Suécia), Göterborgs Universitet (Suécia), Sibellius Academy (Finlandia), University of Miami (USA), San Francisco State University (USA), Malmo Universitet (Suécia) e nos consevatórios de Amsterdam e Rotterdam (Holanda). Realizou também workshops na International Association of Jazz Educators (IAJE ) em Nova Iorque - USA Entre Jan de 2010 e Outubro de 2018 morou na Suécia, onde foi professor na Universidade de Örebro.


CDs/DVDs/Apps e livros editados:
• “Toques de Mestre” (Giannini 1991)
• A Arte da Improvisação (Lumiar Editora, 1991); 
• "Ioiô" (Perfil Musical 1993)
• The Brazilian Guitar Book (Sher Music Co/Arikita Music japan., 1996/ Marco Volonte, Italia 2010);
• Escalas, Arpejos e Acordes para Violão e Guitarra (Lumiar Editora, 1999); 
• Inside the Brazilian Rhythm Section c/ Cliff Korman (Sher Music Co. / ATN Music Japan, 2002);
• “Nelson Faria” (Independente 2003)
• “Beatles, um Tributo Brasileiro” (Solo Music, 1998), com o pianista José Namen 
• ”Janelas Abertas” (Lumiar Discos, 1999), em duo com a cantora Carol Saboya
• “Três/Three” (Independente, 2000), em trio com Nico Assumpção e Lincoln Cheib
• “Vento Bravo” (Delira Música 2005) em trio com Kiko Freitas e Ney Conceição
• “Nosso Trio Ao Vivo” (Delira Música 2006) em trio com Kiko Freitas e Ney Conceição
• Toque Junto Bossa Nova (Lumiar Editora 2008);
• “Buxixo” (Delira Música 2009) em Duo com o pianista Gilson Peranzzetta
• “Banda Pequi, Nelson Faria e Leila Pinheiro (UFG – 2010)
• Harmonia Aplicada ao Violão e à Guitarra (Irmãos Vitale 2010);
• “Nelson Faria & HR Big Band live in Frankfurt (NF Music – 2011)
• “Na esquina de Mestre Mignone” (TF Music – 2012) em Duo com Gustavo Tavares)
• “Céu e Mar” (Far Out Records – 2012) em duo com Leila Pinheiro
• Música Brasileira para Violoncelo e Violão c/ Gustavo Tavares (Vitale 2013) ;
• Exercícios de Leitura para guitarristas e violonistas (Vitale 2014)
• “The Chamber Music Project” (2014) – Who’s The Bossa?
• “Chamber Bossa” (TF music 2015) em trio com Gustavo Tavares e Rodolfo Cardoso)
• “Nelson Faria App – Guitar lessons, (2015, Actual Apps)
• “DVD - Banda Pequi convida João Bosco e Nelson Faria” (2016)
• “Bossa is her name” com Cris Delanno (2018)
• “Nelson Faria plays Daniel Figueiredo (2020 MJC Music)
• “Nelson Faria Acoustic Guitar Trio (2021 Dalla Japan)
• Baladas Brasileiras (2022 com Chico Chagas e Ney Conceição

Patrick Juliano Ribeiro de Campos (SC)

Dança Folclórica Italiana - Pedra Azul

Patrick Juliano Ribeiro de Campos (SC)

Dança Folclórica Italiana - Pedra Azul

Formado em Turismo e Educação Física, com especialização em Gestão de Pessoas, atuando também como pesquisador, produtor cultural e professor de folclore das etnias alemã e italiana. Possui ampla experiência com pesquisa, montagem e criação de grupos folclóricos e suas festas típicas. Participou de diversos cursos de formação e atualização na área de folclore no Brasil e Europa. 

Presidente e Professor da Federação Ítalo Germânica do Brasil, professor pela DGV – Deutsche Gesellschaft fürVolkstanz – seção Brasil pela Associação Cultural Gramado de folclore alemão e professor de danças folclóricas italianas pela FITP – Federazione Italiana de Tradizioni Popolari com sede em Roma. Criador da Festa del Vino e Formaggio na cidade de Concórdia, colaborador da elaboração do projeto Rota da Cultura Italiana em Chapecó, idealizador da Festa do Imigrante de Chapecó, criador do DeutschesBundesvolkstranztreffen de Chapecó e promotor dos Seminários de Danças Folclóricas Italianas e Alemãs no oeste catarinense e diversos estados brasileiros. 

Maiores informações currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/95922779604757489
Ministrou Oficinas de Danças Folclóricas Alemãs e Italianas no Festival de Inverno de Domingos Martins nos anos: 2005, 2007, 2009 e 2012, 2018, 2021

Pedro Sá (RJ)

Percussão Erudita e Popular

Pedro Sá (RJ)

Percussão Erudita e Popular

Pedro Sá é timpanista há quase quatro décadas ininterruptas, e desde 2002, exerce o cargo de timpanista solista da Orquestra Petrobras Sinfônica (Opes). Pedro realizou junto a essa orquestra a estreia mundial do Concertante para Tímpanos e Orquestra de Dimitri Cervo, escrito e dedicado a ele, e tem se apresentado sob regência de Isaac Karabtchevsky, Hubert Soudant, Antoni Wit e Krzysztof Penderecki, entre outros. Antes de se juntar a Opes, ingressou na OSB aos dezesseis anos de idade como primeiro timpanista – fato raro em uma orquestra profissional –, e se apresentou no Lincoln Center (Nova York), além de ter tocado com Luciano Pavarotti, Placido Domingo, Jose Carreras e Kurt Masur, entre outros.

Tendo iniciado os estudos de música ao piano, com sete anos de idade, estudou percussão com Luiz D’Anunciação e frequentou renomados cursos como o OPI (Oberlin Percussion Institute) em Ohio, onde também lecionou percussão brasileira, e teve como professores Michael Rosen e Tom Sherwood (caixa clara), All Otte (percussão contemporânea) e Rusty Burge (vibrafone), além de ter estudado no Cleveland Institute of Music com Paul Yancich e Marc Damoulakis. Pedro é tambem Mestre e Doutor pelo IVL - Unirio.

É Professor Adjunto de Percussão da Escola de Música da UFRJ desde 2007, onde também atua como Pesquisador Associado/Consultor da Percussão do Museu Instrumental Delgado de Carvalho, museu que atua em parceria com o Museu Villa-Lobos e a Universidade Nova de Lisboa, em Portugal. Juntamente com Janaina Sá, é membro fundador do Duo Sá de Percussão, tendo se apresentado na PASIC (Percussive Arts Society International Convention) – o maior e mais prestigioso “evento” de percussão do mundo –, nas edições de San Antonio (Texas), e Indianápolis.